quarta-feira, 1 de maio de 2013

México: Mercado troca lixo por alimentos

Na capital do país, produtos recicláveis podem ser negociados por frutas, hortaliças e legumes.



       No Mercado da Troca da Cidade do México, trabalhadores da Secretaria do Meio Ambiente (SEDEMA) selecionam e pesam materiais recicláveis para fornecer aos clientes “pontos verdes” que podem ser trocados por produtos agrícolas. (Cortesia da SEDEMA)
No Mercado da Troca da Cidade do México, trabalhadores da Secretaria do Meio Ambiente (SEDEMA) selecionam e pesam materiais recicláveis para fornecer aos clientes “pontos verdes” que podem ser trocados por produtos agrícolas. (Cortesia da SEDEMA)

CIDADE DO MÉXICO – Garrafas de vidro e plástico, papel, papelão, embalagens de Tetra Pak e aparelhos eletrônicos velhos.
Isso pode parecer uma lista de lixo.
Mas, na Cidade do México, é moeda de troca.
No segundo domingo de cada mês, esses produtos, que normalmente seriam jogados fora, são coletados no Mercado de Trueque (Mercado de Troca), promovido pela Secretaria do Meio Ambiente (SEDEMA) no Parque de Chapultepec.
O objetivo é mostrar a importância da reciclagem à população da Cidade do México, que produz em média 14.000 toneladas de lixo por dia. Apenas 12% do total é reciclado, de acordo com a SEDEMA.
A secretaria estima que 63.000 toneladas de garrafas PET – embalagens plásticas feitas de politereftalato de etileno – são consumidas a cada ano, das quais somente 10% são recicladas. De cerca de 117.000 toneladas de papel que vão para o lixo todo ano, apenas 15% são recicladas.
“Queremos mostrar ao público que o que chamamos de lixo tem valor quando é selecionado”, diz Lucía Yolanda Alonso Olvera, diretora de educação ambiental da SEDEMA.
Na Cidade do México, o serviço de limpeza urbana financiado pelo governo coleta lixo apenas nas principais ruas.
O Mercado de Trueque recebe uma média de 2.500 visitantes e coleta cerca de 14 toneladas de material reciclável cada vez que organiza o programa de trocas.
No primeiro ano, o programa totalizou 198 toneladas de recicláveis e 24.352 visitantes.


       No Mercado de Trueque, os visitantes trocam materiais recicláveis por vouchers, que variam de um a 20 pontos. E, então, trocam os vouchers por vegetais orgânicos cultivados na região agrícola do sul da Cidade do México. (Cortesia da SEDEMA)
No Mercado de Trueque, os visitantes trocam materiais recicláveis por vouchers, que variam de um a 20 pontos. E, então, trocam os vouchers por vegetais orgânicos cultivados na região agrícola do sul da Cidade do México. (Cortesia da SEDEMA)

Em 10 de março, às 7h da manhã, uma longa fila de pessoas esperava para entrar nas instalações do mercado, que abre às 8h.
“É a segunda vez que venho e acho que o mercado é maravilhoso”, diz a aposentada María Cristina Monroy, 62, que trouxe alguns sacos com garrafas PET limpas e amassadas e garrafas de vidro. “Estamos trazendo material acumulado durante dois meses, pois não viemos no mês passado. Na primeira vez, trocamos lixo por verduras, plantas e doces. Agora, queremos ver o que podemos conseguir.”
Logo que o mercado abre, os materiais recicláveis são organizados pelos funcionários da SEDEMA em 10 mesas. Os produtos aceitos são selecionados e pesados numa balança. Um recibo é emitido com uma quantidade equivalente de “pontos verdes”, que serão trocados por vouchers.
Os vouchers, que são divididos em categorias de um, cinco, 10 e 20 pontos, podem ser usados em diversas barracas na entrada do mercado.
Cada 1 kg de garrafas PET vale 30 pontos verdes; 1 kg de papel ou caixa de papelão equivale a 13 pontos verdes; 1 kg de latas de alumínio vale 16; 1 kg de embalagem Tetra Pak vale 15; e 1 kg de vidro, três pontos.
O mercado oferece aos usuários produtos naturais e alguns itens orgânicos produzidos em Xochimilco, Tláhuac e Milpa Alta, três bairros agrícolas na região sul da Cidade do México. Há plantas medicinais e ornamentais, frutas, legumes e verduras.
“Viemos aqui desde que o mercado começou”, afirma o arquiteto Álvaro Hernández, 33, que trocou cerca de 20 kg de garrafas de refrigerante, vidro, papelão, papel e embalagens Tetra Pak por 160 pontos. “Tudo o que trazemos foi lavado e está limpo. Gostamos daqui porque podemos comprar muito com os pontos e os produtos são de alta qualidade.”
Hernández trocou os vouchers por queijo orgânico, verduras, café e uma planta ornamental.
“Qualquer coisa que você consiga é bom porque ninguém espera obter nada em troca de lixo”, diz.
Os itens mais trocados no mercado são garrafas PET, já que os clientes são estimulados a levar entre 1 kg e 10 kg para a troca.
Os materiais recicláveis são depositados em caminhões de duas empresas mexicanas, que fornecem uma lista dos itens e pagam à SEDEMA diretamente. Três dias depois, a SEDEMA reembolsa os agricultores no mercado pelos vouchers que recolheram.
A SEDEMA recebe em média 39.000 pesos mexicanos (US$ 3.000) pelo material coletado. Os outros 100.000 pesos (US$ 8.000) necessários para o pagamento dos agricultores vêm diretamente da secretaria.
“Ao selecionar o que jogamos fora, podemos diminuir em 40% a quantidade de lixo gerado em cada domicílio”, diz Alonso Olvera. “Quase todo o lixo gerado por uma família é reciclável.”