segunda-feira, 29 de abril de 2013

Irmãos Tsarnaev planejavam atacar Nova York, diz prefeito

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, confirmou nesta quinta-feira, em entrevista coletiva, que os irmãos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, responsáveis pelos atentados na Maratona de Boston, planejavam atacar Nova York. Segundo a polícia, os chechenos ainda tinham seis artefatos explosivos para usar em uma nova ação em Time Square, um dos principais pontos turísticos de Manhattan.
Bloomberg afirmou que a suspeita foi baseada em informações que o sobrevivente Dzhokhar Tsarnaev passou aos investigadores em um hospital de Boston, onde ele está se recuperando de ferimentos. "Na noite passada, fomos informados pelo FBI que o agressor sobrevivente revelou que Nova York era o próximo alvo em sua lista", disse Bloomberg na prefeitura de Nova York.
Dzhokhar Tsarnaev e seu irmão mais velho Tamerlan, que morreu numa troca de tiros com a polícia, construíram bombas adicionais além das utilizadas na maratona, disse Bloomberg. "Ele e seu irmão mais velho tinham a intenção de dirigir até Nova York e detonar os explosivos na Times Square", disse Bloomberg.
Atentados na maratonaTrês pessoas morreram e cerca de 280 ficaram feridas na explosão de duas bombas durante a Maratona de Boston, no dia 15 de abril. O ataque desencadeou uma caçada que terminou com a morte de Tamerlan Tsarnaev, 26 anos, e a prisão de Dzhokar Tsarnaev, 19 anos.
Os irmão são apontados pelas autoridades americanas como os únicos suspeitos do atentado. Dzhokar, capturado na última sexta-feira, está hospitalizado em estado grave. Mesmo assim, já foi acusado formalmente pelo uso de "armas de destruição em massa".
Nesta quinta, os pais dos suspeitos, Anzor e Zubeidat, que moram no Daguestão, afirmaram que irão aos Estados Unidos para enterrar o filho morto. "Estou indo para os Estados Unidos. Quero dizer que estou indo para ver o meu filho, para enterrar o mais velho.
Eu não tenho quaisquer más intenções. Eu não planejo explodir nada. Não defendo nenhum ideário religioso ou extremista", afirmou o patriarca.